O Espetacular Homem-Aranha 2 | Crítica do Filme

O Espetacular Homem-Aranha 2 | Crítica do Filme

 
O-Espetacular-Homem-Aranha-2-7Jan2014-03

_Estrela_Estrela_Estrela_EstrelaEstrela_Apagada
Peter Parker (Andrew Garfield) tenta manter a promessa que fez ao pai de Gwen Stacey (Emma Stone), de que a protegeria sem chegar perto dela. Mas o herói está apaixonado, e não consegue se afastar. Ao mesmo tempo, vários inimigos tomam conta da cidade, e a formatura da escola se aproxima.

 

Estréia: 01 de maio de 2014

 

 

Em 2012 quando fui assistir ao recente remake realizado pela Sony do filme O Espetacular Homem-Aranha, minha expectativa não poderia ser maior, afinal, o próprio estúdio quando anunciou Andrew Garfield como substituto de Tobey Maguire o vendeu como um Peter Parker mais próximo dos quadrinhos. O tamanho da repercussão foi enorme, mas a entrega foi falha e minha decepção foi grande. No final tivemos um longa que não conseguiu se desvincular da trilogia já definida por Sam Raime. Apesar de muitos fãs das HQs aprovarem as aproximações que o filme trouxe ao universo de origem de herói, como uma produção cinematográfica, O Espetacular Homem-Aranha foi monótono e repetitivo. Entretanto, em O Espetacular Homem-Aranha 2 – A Ameaça de Electro (o título é tão longo que é quase uma sinopse), o diretor Marc Webb nos entrega um produto que já se mostra superior logo nas primeiras sequências. É um grande exemplo de como aprender com os erros do passado provando que é possível agradar os ortodoxos das HQs como os amantes do cinema.

 

O Espetacular Homem-Aranha 2 é simplesmente o melhor filme dos 5 longas inspirados no herói. Pra mim superou a sequência de 2004 Homem-Aranha 2. A trama em suas duas horas e vinte não apenas deu novos significados ao personagem como também repara arcos deixados abertos no primeiro filme que até então não fizeram sentido nenhum na história.

 

Talvez o que menos importe nesse momento é o alter ego do personagem título, mas sim o casal Peter Parker e Gwen Stacy (Emma Stone). Para a sorte do diretor, os dois não estão juntos apenas na ficção, mas também na vida real e isso deu uma química tão forte entre os personagens que só intensificou o que Marc Webb sabe fazer de melhor: dilemas humanos traduzidos poeticamente com a ajuda de uma excelente trilha sonora contemporânea e imagens capturadas de forma que expressam conforto e nostalgia.

 

A química entre elenco não se limita ao casal. Sally Field finalmente conseguiu fazer uma nova tia May, agregando à personagem uma mulher mais forte, que de certa forma, também veste sua máscara de heroína. Deixou de ser apenas a idosa em perigo. Por outro lado, o que os veteranos de elenco ganham, os novatos perdem. O elo fraco do filme fica por conta das interpretações duvidosas de Jamie Foxx Paul Giamatti. Infelizmente nenhum dos dois encontraram a tonalidade certa de seus personagens.
 
A inserção de um novo Harry Osborn (Dane DeHaan) por mais que tenha sido um pouco mais do mesmo já entregue nos primeiros longas do Homem-Aranha, o ator conseguiu tomar a cena com a nova motivação dada às suas atitudes. O público consegue digerir melhor as razões que o levam virar o Duende Verde, mesmo que esse tenha uma participação tímida, preparando o terreno para os próximos filmes. A necessidade de criar um universo cinematográfico expandido inspirado nas HQs do Homem-Aranha nada mais é do que um reflexo do bem sucedido universo Marvel que a Disney constrói com os Vingadores. Só resta saber se a Sony terá tanta competência para tal feito.

 

O Espetacular Homem-Aranha 2 – A Ameaça de Electro é uma analogia completa em relação a tempo e trajetos que a vida lhe traça. Podemos perceber que o relógio é uma figura importante dentro da trama e que o personagem título tem o tempo como seu aliado ou, em grande parte, inimigo. Temos um Homem-Aranha muito mais diplomático, tentando ser muito mais verbal do que porradeiro. E isso é excelente. Somos contemplados com excelentes diálogos no roteiro. O filme é fluido e repleto de pontas abertas para os próximos longas, que agora, finalmente consigo dizer que fez mérito ao Homem-Aranha que já havia conhecido anteriormente nos cinemas.